Sunday, 14 December 2008

Rip Curl H-Bomb

Essa entrou para a história. A Rip Curl, líder mundial na fabricação de roupas de neoprene até então além dos modelos mais comuns, eles já fabricavam a série E-Bomb que garante leveza e máxima flexibilidade dentro da água, e a série F-Bomb que detém alta tecnologia em drenar a água e segurar melhor o calor do corpo. Mas agora eles inovaram com a recém lançada H-Bomb, que é aquecida por um dispositivo. Isso mesmo, com aquecedor!

Existe muitas ondas de qualidade em lugares extremamente frios como no extremo sul da Nova Zelândia, Tasmânia e no hemisfério norte em lugares como Canadá, Irlanda e até mesmo Islândia! Em lugares como estes a temperatura da água é de no máximo 10 graus, sem contar a temperatura do ar, que pode estar facilmente abaixo de zero e acompanhada de neve e ventos geladíssimos.

Para surfar lugares como estes é necessário roupas grossas (de 4.3mm ou 5.3mm), botas, luvas e até mesmo gorros. O cara fica virado num astronauta mas é o único jeito mesmo. Com o H-Bomb ainda pode ser preciso vestir luvas, botas e capacetes, mas a roupa em si é muito mais fina e leve e garante flexibilidade e conforto térmico ainda maior graças ao sistema de aquecimento.

O aquecimento é feito por baterias de 7.4 volts e duram em média 2 horas, tempo suficiente para pegar altas ondas. A roupa não causará nenhum tipo de choque ao usuário devido à baixa voltagem, mais um ponto positivo.



Segundo alguns kiwis que testaram o wetsuit a impressão foi a de estar enrolado num cobertor elétrico. Apesar do aquecimento ser somente no tronco ao redor dos órgãos vitais, a sensação térmica é transmitida para todo o corpo, evitando assim que os pés e mãos adormeçam devido ao frio. Eu mesmo já tive meus pés dormentes surfando aqui na Nova Zelândia e posso garantir que não é legal!

A explicação científica é de que, o corpo quando é exposto a condições de extremo frio instintivamente dá prioridade ao funcionamento dos órgãos vitais, bombado mais sangue para eles e deixando um pouco de lado o resto do corpo. Por isso a sensação de dormência é sentida nos braços e pernas.

O preço ainda é caro, em média 1100 dólares australianos. Não imagino que será comercializado no Brasil, uma vez que não precisa-se mais do que uma roupa de 3.2mm para surfar no inverno no sul do nosso país. A temperatura do mar em Santa Catarina no durante o inverno é mais ou menos a mesma da água aqui no verão, ou seja aqui é vrio bra garalho bróder!


2 comments:

João Henrique said...

Achei massa aideia espero que nao chame a atencao dos tuba

Anonymous said...

Que coisa maluca isso de surfar no frio. Eu sempre pensei que neste lugares o pessoal só esquiava e surf era coisa pra se fazer em lugares quentes.

Rodrigo