Monday, 16 March 2009

Homem de Conhecimento

Já faz algum tempo que estou querendo colocar aqui no blog este trecho do livro A Erva do Diabo (The Teachings of Dom Juan), do Castaneda. É a minha parte preferida deste livro, que conta sua história, quando conheceu Dom Juan e passou por um processo de aprendizado com este velho índio numa região remota no norte do México. Dom Juan sempre falava do "homem de conhecimento" nas conversas entre os dois, mas nunca havia entrado profundamente no assunto. Até que um dia, de tando Carlos insistir, e alegando que ele estaria voltando aos Estados Unidos e ficaria lá por alguns meses e gostaria de refletir sobre o assunto, o índiozão cedeu e naquela noite tiveram a seguinte conversa:


Quando um homem começa a aprender, ele nunca sabe muito claramente quais seus objetivos. Seu propósito é falho; sua intenção, vaga. Espera recompensas que nunca se materializarão, pois não conhece nada das dificuldades da aprendizagem. Devagar ele começa a aprender... a princípio pouco a pouco, e depois em porções grandes. E logo seus pensamentos entram em choque. O que ele aprende nunca é o que ele imaginava, de modo que começa a ter medo. Aprender nunca é o que se espera. E a cada passo da aprendizagem o medo torna-se maior. Seu propósito torna-se um campo de batalha.

E assim ele se depara com o primeiro de seus inimigos naturais: o MEDO! Um inimigo terrível, traiçoeiro e difícil de vencer. E se o homem, apavorado com sua presença, foge, seu inimigo terá posto um fim à sua busca.


- O que acontece com o homem se ele fugir com medo?

Nada lhe acontece, a não ser que nunca aprenderá. Nunca se tornará um homem de conhecimento.

- E o que pode ele fazer para vencer o medo?

Não deve fugir. Deve desafiar o medo dando passos à frente. Deve ter medo, plenamente, e no entanto não deve parar. E chegará um momento que o inimigo se recua. O homem começa a se sentir seguro de si. Seu propósito torna-se mais forte e aprender já não é mais uma tarefa aterradora. Uma vez que o homem venceu o medo, fica livre dele o resto da vida, porque, em vez do medo, ele adquiriu a clareza. Uma clareza de espírito que apaga o medo. O homem sente que nada lhe oculta.

E assim ele encontra seu segundo inimigo: a CLAREZA! Essa clareza que elimina o medo também cega. A clareza dá ao homem a segurança de que ele pode fazer o que bem entender, pois ele vê tudo claramente. Ele é corajoso porque tem clareza e não pára diante de nada. Mas tudo isso é um engano. Vai precipitar-se quando deveria ser paciente, e vice-versa. E tateará com a aprendizagem até acabar incapaz de aprender mais qualquer coisa.

- O que acontece com um homem que é derrotado assim?

Seu inimigo impede de torná-lo um homem de conhecimento; em vez disso, torna-se um guerreiro valente ou um palhaço "sabe-tudo".

- O que o homem precisa fazer para vencer a clareza?

Para vencer a clareza o homem tem que utilizá-la só para ver e medir com cuidado antes de dar novos passos, pois acima de tudo sua clareza é quase um erro. E virá um momento que ele compreenderá que sua clareza era apenas um ponto diante de sua vista. Ele saberá a essa altura que o poder que vem buscando há tanto tempo é seu, enfim.

E assim ele encontra seu terceiro inimigo, o PODER! O poder é o mais forte de todos os inimigos. E naturalmente a coisa mais fácil é ceder, afinal de contas, o homem é realmente invencível. Ele comanda; começa correndo riscos calculados e termina estabelecendo regras, porque é um senhor. Um homem nesse estágio quase nem nota seu terceiro inimigo se aproximando. E de repente, sem saber, certamente terá perdido a batalha. Seu inimigo o terá transformado num homem cruel e caprichoso.

- E como o homem pode vencer seu terceiro inimigo?

Tem de desafiá-lo. Tem de vir a compreender que o poder que parece ter adquirido, na verdade, nunca é seu. Deve controlar-se em todas as ocasiões, tratando com cuidado e lealdade tudo o que aprendeu. Se conseguir ver que a clareza e o poder são piores do que os erros, ele chegará a um ponto em que tudo está controlado, e saberá como e quando utilizar o poder. Assim terá derrotado seu terceiro inimigo.

O homem estará então no fim de sua jornada do saber, e sem quase perceber encontrará seu último inimigo: a VELHICE! Este é o mais cruel de todos, o único que ele não conseguirá derrotar completamente, mas apenas afastar. É um momento em que todo o seu poder está controlado, mas também o momento em que ele sente um desejo irresistível de descansar. Se ele ceder completamente a seu desejo de se deitar e esquecer, se afundar na fadiga, perderá sua última batalha. Seu inimigo o reduzirá numa criatura velha e débil.

Mas se o homem sacode sua fadiga, e vive seu destino completamente, então poderá ser chamado de um homem de conhecimento, nem que seja no breve momento em que ele consegue lutar contra o seu último inimigo invencível. Esse momento de clareza, poder e conhecimento é o suficiente.


Sunday, 1 March 2009

Mais um ano sem Eddie...

Infelizmente a temporada 08/09 de surf no Hawaii foi mais uma sem o The Quiksilver in Memory of Eddie Aikau. Mais conhecida como The Eddie, esta é uma das competições mais clássicas do surf. É um campeonato único onde são surfadas ondas gigantescas em Waimea Bay, na ilha de Oahu, no Hawaii.

O campeonato não aconteceu este ano pois mais uma vez as ondas não atingiram o tamanho mínino para a realização do evento, que é de 20ft+ (equivalente a um prédio de 4 andares). O período de espera do campeonato este ano foi de 1/12/08 a 28/02/09, durante o inverno no Hawaii, período que recebe gigantes ondulações provindas de tempestades geradas no Pacífico Norte.



Somente 28 surfistas convidados tem a honra de participar do evento, surfistas estes que possuem muita experiência em ondas grandes e que também são ícones do esporte, como o multicampeão Kelly Slater, Sunny Garcia e Michael Ho. Temos um brasileiro que é convidado todo ano, Carlos Burle, nosso pernambucano big rider famoso por surfar ondas gigantgescas em vários lugares do mundo. Não é permitido o uso de jet-skis (tow-in), ou seja, é preciso remar utilizando-se unicamente da sua própria força para entrar na onda, o que torna o evento tão difícil e prestigiado mundialmente.

Acompanhei quase que diariamente durante todo este período, em blogs, podcasts e sites de surf, e o Eddie quase aconteceu duas vezes, quando as ondas estavam um pouco abaixo do tamanho mínimo.

Edward Ryon Aikau, havaiano e apaixonado pelo mar foi um dos pioneiros salva-vidas no Hawaii e big wave surfer nos anos 60 e 70. Em 1978 durante uma épica viagem de canoa no meio do Oceano Pacífico, refazendo uma rota histórica dos ancestrais polinésios, sumiu no mar durante uma tempestade. Seu corpo nunca foi encontrado e tornou-se uma lenda no Hawaii. E em 1985 este evento foi criado em homenagem a este ícone havaiano.



O evento aconteceu somente sete vezes desde a sua criação há 23 anos atrás. Ironicamente em 1998 as ondas estavam grandes demais durante uma forte tempestade, com condições absurdamente gigantescas que colocariam a vida dos atletas em risco! Não houve o Eddie naquele ano. E jamais alguém venceu o Eddie mais que uma vez. Eis abaixo a lista de todos os vencedores:

1985 - Denton Miyamura (Hawaii)
1986 - Clyde Aikau (Irmão caçula do Eddie, Hawaii)
1990 - Keone Downing (Hawaii)
1999 - Noah Johnson (Hawaii)
2000 - Ross Clarke-Jones (Australia)
2002 - Kelly Slater (Florida)
2004 – Bruce Irons (Hawaii)

Segue abaixo dois vídeos, um com as piores vacas e outro com as melhores ondas!