Thursday, 12 February 2009

Um passeio na Lua

Semana passada eu e a minha namorada fizemos o Tongariro Alpine Crossing, uma caminhada de 8hrs (18kms) que passa pelos vulcões Mt. Tongariro (1978m) e Mt. Ngauruhoe (2291m). É considerada a melhor trilha de um dia da Nova Zelândia e considerada por muitos uma das Top 10 do mundo. O melhor adjetivo para definir o lugar é: LUNAR.

Para fazer a caminha é necessário providenciar transporte pois a trilha termina do outro lado da montanha. A maioria dos hotéis, lodges e backpackers da região possuem micro-ônibus ou vans que por em média NZ$30 te deixam no início da caminhada pela manhã e vão buscar do outro lado da montanha do fim do dia. A única facilidade que a trilha oferece são uns poucos banheiros no decorrer do caminho. É preciso levar comida e muita água. Além de jaqueta impermeável, toca e roupas quentes, pois o tempo muda muito rápido lá em cima e é imprevisível. Embora exista vários córregos de água "limpinha" no caminho, não é recomendado beber daquelas águas, pois contém índices elevados de enxofre, sílica e outros resíduos vulcânicos.


O ônibus nos deixou no estacionamento no início da trilha às 8:30. Ficamos espantados com a multidão. Imagino que haviam mais de mil pessoas fazendo o caminho naquele dia. Só do nosso backpacker eram umas 40. A caminhada é muito popular durante o verão mas não sabia que era tanto. No começo da caminhada haviam várias nuvens nas montahas e não era possível ver o cume dos vulcões. Depois de mais ou menos 1 hora de caminhada o tempo começou a limpar e tornou-se um perfeito céu azul para todo o resto do dia. Foi quando foi possível avistar bem de perto o Mt. Ngauruhoe, que tem uma forma de cone perfeita, que sempre imaginamos quando pensamos em vulcões. Já o Mt. Tongariro é uma bagunça de vários vulcões e crateras que já explodiram, juntaram-se com outras, etc. Pelo camiho há muitas áreas com lava de antigas erupções. A formação destas rochas é porosa e muito interessante.


A partir dali a caminhada começa a ficar mais difícil, uma subida muito íngrime e longa até chegar numa área plana onde há uma trilha secundária que leva ao topo do Mt. Ngauruhoe. São mais 3hrs de caminhada até lá em cima. Essa vai ficar para uma próxima. Ir lá em cima e depois voltar para o início da trilha. Nem vai precisar pagar ônibus!

Para os fãs de O Senhor dos Anéis: O Mt. Ngauhuroe é o Mt. Doom do filme, e várias cenas do filme foram filmadas no Tongariro National Park. As erupções que aparecem no filme são CGI, obviamente.

A partir deste momento na caminhada é que as coisas começam a se tornar lunares. Passamos por uma grande área plana de chão batido de cor amarelada, que parecia um deserto. De lá a vista do Mt. Ngauruhoe fica mais bonita a cada passo. Depois desta parte fácil de caminhar vem mais uma subida muito íngrime e também escorregadia, que leva ao ponto mais alto da caminhada, 1886m. Lá de cima percebemos que aquele "deserto" é nada mais nada menos do que uma cratera gigante! A vista é simplesmente incrível. Dali também há uma trilha que leva ao cume do Mt. Tongariro, mas decidimos continuar na trilha principal. Muitas pessoas pararam lá em cima para comer mas decidimos ir andar um pouco mais para depois parar e almoçar.


E então chegamos na Red Crater. Um buraco enorme e com uma coloração vermelha e verde-escuro, e dali a trilha começa a descer rumo ao Emerald Lakes (Lagos de Esmeralda), não precisa explicar o porque do nome, é só ver as fotos para entender. E lá paramos e fizemos nosso lanche. Hora de parar e tirar as pedras do sapato e contemplar aquela maravilha de lugar. Ao mesmo tempo que é desolado e sem vida, também é de muita natureza, com todas aquelas formas, cores e texturas. Um lugar que se transformou intensamente durante milhões e milhões de anos, e ainda se tranformará!


A trilha continua por mais uma área plana ainda maior, que é a Cratera Central. Após atravessá-la e começar a subir, percebemos que o ponto mais alto da caminhada onde estávamos antes é o cume de um vulcão que explodiu! E abriu um buraco gigantesco. E no meio da Cratera Central há uma enorme área de lava e é possível ver que foi resultado de uma erupção da Cratera Vermelha. Neste momento é possível ver as três montanhas do parque alinhadas: Mt. Tongariro, Mt. Ngauhuroe e mais ao fundo, ainda com um pouco de neve, Mt. Ruapehu (2797m). Todos são vulcões ativos, sendo que o último citado teve duas grandes erupções em 1995 e 1996 e também uma mini-erupção ano passado e ainda encontra-se em estado de alerta.


Depois de uma pequena subida chegamos no Blue Lake, um lago enorme lá em cima da montanha, provavelmente também uma cratera. Após o lago a trilha começa a descer, é hora de se despedir da paisagem lunar, mas a caminhada ainda não terminou, há muito chão ainda pela frente. Após passar por entre duas montanhas temos a sensação de estar "fora" do complexo vulcânico. A partir dali a vegetação começa a aparecer novamente à medida que a trilha vai descendo. E também é possivel ver o Lake Taupo de lá de cima. Passamos por uma Hot Spring (fonte de água quente) e a água é quente mesmo, e com aquele cheiro característico de enxofre, que lembra ovo podre, que lembra peido. No final a trilha entra no meio da floresta e é um alívio para nós, ter um pouco de sombra pois o sol estava matando. Nesta hora meus pés já estavam doendo muito e só queria que terminasse logo. Depois de uma longa caminhada no mato chegamos no estacionamento do outro lado da montanha. Ali esperamos nosso ônibus e terminamos nossa aventura. Levamos exatamente 8hrs para percorrer toda a extensão da trilha.

Nem precisa dizer, recomendadíssimo para todos que viajam para a Nova Zelândia. O Tongariro National Park fica bem no centro da Ilha Norte, 330km ao sul de Auckland e mais ou menos uma hora e meia de Taupo. Há muito o que fazer na área. Dentre as principais atividades está a famosa 42nd Traverse, uma trilha de mountainbike gigantesca. E durante o inverno e primavera é possível fazer ski/snowboard em duas estações localizadas no Mt. Ruapehu. E há rafting, bungy-jump, sky-diving, vôos panorâmicos e muito mais. É diversão garantida o ano inteiro!

E aqui estão mais algumas fotos do crossing.


Veja também: Subindo o Vulcão

5 comments:

Kelli said...

Que doidera!!!! Caramba, tô morrendo de inveja ein. Com certeza é uma das trilhas mais lindas do mundo. Acho que aquela que eu vou fazer lá no Nepal nem vai ser tão bonita que nem essa aí! As fotos estão demais também, parabéns!

(Aquela água lá das lagoas deve curar altas frieiras né?)

Wendel said...

ppffff sou mais o spitzkopf huahua

cara, que lugar esse ai velho! Também to com inveja.

carolinafernandateixeira said...

q irada as fotos, muito massa.....
besos, saudades!

Anonymous said...

Cara esse lugar é doido pra caralho. Muito bonito mesmo. As vezes é legal pegar e dar umas caminhadas por aí sem muito compromisso e tendo umas paisagens como estas, então fica melhor ainda. Lendo o teu relato, me lembrei daquela vez que eu, tu e o Tié fomos caminhando até Blumenau. Acho que andamos direto por umas 8/9horas. No fim ninguém aguentava mais de tanta dor nos pés e pernas. Mas foi legal e olha que nem tinha paisagens para se olhar, era só andar mesmo. Mas é isso cara, aproveita pra conhecer esses lugares exóticos aí da NZ, porque aqui em Gaspar só tem o Morro da Cruz e o Spitzkopf.

Já ia esquecendo, conseguisse contato com o Rogério naquele e-mail que te passei?

Falou
Rodrigo

Anonymous said...

Esqueci no outro comentário, valeu pelo link do meu blog, coloquei um link teu também. As aulas já recomeçaram e tá dificil pra arrumar tempo pra escrever, ainda mais que este semestre tenho que fazer o TCC e estágio obrigatório lá na Furb. to pensando em escrever algo da area jurídica também e não só F1. Vamos ver no que vai dar

Valeu
Rodrigo